top of page
  • Foto do escritorIgor Baliberdin

Mas o que é "cultura de design" e para que serve?

Atualizado: 14 de mai.


Photo by Redwayio on Unsplash.com

Antes de mais nada, o que é cultura?

O conceito de cultura pode ser definido ao longo do tempo como o conjunto de valores, crenças, normas, costumes e práticas compartilhadas por um grupo de pessoas em uma sociedade. Esses elementos moldam a identidade coletiva de um grupo e influenciam seu comportamento, percepções e interações.


Um filósofo que aborda o conceito de cultura de forma clara é Clifford Geertz, um antropólogo cultural americano. Geertz é conhecido por sua definição de cultura como sistemas de significados compartilhados e interpretativos, transmitidos de geração em geração. Ele enfatiza a importância da interpretação simbólica na compreensão da cultura, destacando como os seres humanos atribuem significado às suas experiências e criam sistemas simbólicos complexos para interagir com o mundo ao seu redor. Geertz argumenta que a cultura é essencialmente um processo de interpretação, e seu trabalho influenciou profundamente os estudos culturais e antropológicos contemporâneos.


Trocando em miúdos, podemos dizer que cultura se define através da definição de símbolos que serão utilizados posteriormente para comunicar algo. Certo?

Mas para que isso aconteça, precisamos considerar alguns pontos importantes.


Como estabelecer um processo de aculturamento

Estabelecer uma cultura de design, seja corporativa ou comportamental, requer uma série de elementos-chave e ações deliberadas para moldar e sustentar os valores, crenças e práticas desejadas. Aqui estão alguns pontos importantes para estabelecer uma cultura eficaz:


  1. Definição de Valores e Missão do Design na empresa: É essencial identificar os valores fundamentais que orientarão o comportamento e as decisões dentro da cultura de design. Uma missão clara também ajuda a unificar os esforços em direção a objetivos comuns. Ex: "nossa missão é ter X, Y, Z produto disponíveis para os usuários até fim do ano."

  2. Liderança de Design Exemplar: A liderança desempenha um papel crucial na definição da cultura. Os líderes devem ser modelos dos valores e comportamentos desejados, demonstrando consistência e comprometimento, além disso devem ter formação compatível com a área que atuam pois, quando percebido que não dominam o assunto pelo qual são pagos para, fica difícil gerenciar sua equipe. Para ser líder é preciso se tornar exemplo.

  3. Comunicação Efetiva: A comunicação aberta e transparente é essencial para disseminar os valores da cultura e manter todos alinhados. Isso inclui compartilhar a visão, objetivos e expectativas de forma clara e regular.

  4. Inclusão e Diversidade nos Times de Design: Uma cultura forte valoriza a inclusão e a diversidade. Todos devem sentir que suas vozes são ouvidas e que têm oportunidades iguais de contribuir e crescer. Quando você opta por querer microgerenciar achando que isso é bom, tenho um recado pra vc: Pára que tá feio e cansativo!

  5. Reforço Positivo e Feedbacks de Qualidade: Reconhecer e recompensar comportamentos e realizações alinhados com os valores da cultura fortalece sua adoção e sustentação ao longo do tempo. Feedbacks precisam ser dados com coerência. Lembrem-se: vocês estão lidando com adultos mesmo quando isso não é aparente.

  6. Capacitação e Educação: Investir em treinamento e desenvolvimento para capacitar as pessoas a compreender e abraçar a cultura desejada. Trabalhar com gente que pede ajustes sem embasamento teórico soa mais como birra do que como necessidade e é fácil de perceber quando é um ou outro.

  7. Flexibilidade e Adaptação: As culturas evoluem com o tempo. É importante ser flexível e adaptar a cultura às mudanças internas e externas, mantendo sempre os princípios fundamentais. Isso não significa que você tem que mudar tudo, e se mudar, que seja com um propósito claro (vide item 6) e bem comunicado (vide item 3)


Estabelecer uma cultura eficaz exige um compromisso contínuo de todos os membros da organização ou grupo, desde a alta administração até os funcionários de linha de frente, para criar um ambiente onde os valores compartilhados são vividos e promovidos ativamente.


Comunicação é a chave para criar cultura

Uma comunicação efetiva desempenha um papel crucial no processo de aculturamento de design, ajudando a definir, transmitir e sustentar uma cultura organizacional forte e alinhada com os valores e objetivos da empresa.

Para que isso aconteça com êxito, é necessário que a linguagem seja alinhada. Um exemplo que gosto muito de utilizar é que não tem nada mais chato que falar com designers pois sempre veêm sua carreira com um olhar apaixonado, e isso é bom desde que eles estejam em uma roda só com designers. C-Level quer falar de dinheiro e quanto aquele design vai custar e/ou trazer de retorno do investimento. Mas saber falar de business usando o design como veículo pode ser uma arma poderosa pois ele tem todas as condições de trazer de forma visual todos aqueles conceitos que em um primeiro momento poderiam empacar o desenvolvimento de uma discussão mais técnica.


O designer é a ponte que conecta o departamentos.

Já entre os times, a comunicação entre os designer e eles precisa ser sempre da perspectiva deles e ir adaptando até que você consiga equalizar o entendimento de ambas as partes. Não entendeu? Pergunte! Não entendeu de novo? Pergunte outra vez. Não pode haver espaço para melindres e a comunicação precisa ser transparente. O designer é a ponte que conecta o departamentos.


O custo de ter uma cultura de design aplicada ou não na rotina corporativa pode ser significativo e pode afetar diversos aspectos do desempenho e dos resultados da empresa. 



Um operário de mão levantada ameçando o personagem de Chaplin em tempos modernos

Foto publicada em 21 de dezembro de 2007 |Copyright D.R.


Custos de Não Ter uma Cultura de Design aplicada:


  1. Menor Competitividade: Empresas que não investem em design podem enfrentar dificuldades em se destacar em um mercado competitivo, onde a experiência do usuário e a inovação são cada vez mais valorizadas pelos consumidores.

  2. Experiência do Usuário Insatisfatória: A falta de foco em design pode resultar em produtos ou serviços com interfaces complexas, baixa usabilidade e experiências insatisfatórias para os clientes, levando a menor retenção e lealdade.

  3. Falhas de Produto ou Serviço: A ausência de princípios de design pode levar a lançamentos de produtos ou serviços mal-sucedidos, com problemas que exigem retrabalho, correções e custos adicionais para resolver.

  4. Perda de Oportunidades de Inovação: Uma cultura que não valoriza o design pode perder oportunidades de inovação e diferenciação no mercado, limitando o potencial de crescimento e expansão.


Benefícios de ter uma Cultura de Design estabelecida dentro das empresas:


  1. Melhoria da Experiência do Cliente: Uma cultura de design focada no usuário pode resultar em produtos e serviços mais intuitivos, atraentes e alinhados com as necessidades e expectativas dos clientes.

  2. Inovação Contínua: O design centrado no usuário promove a inovação ao envolver os colaboradores na criação de soluções criativas e eficazes para problemas complexos.

  3. Redução de Custos a Longo Prazo: Investir em design desde o início pode reduzir custos associados a retrabalho, suporte ao cliente e adaptações após o lançamento.

  4. Atração e Retenção de Talentos: Uma cultura de design forte pode atrair talentos criativos e inovadores, além de manter os colaboradores engajados e motivados.



Dados e Evidências sobre efetividade deste discurso:


  • Um estudo da McKinsey & Company descobriu que as empresas que priorizam o design têm maior probabilidade de superar seus concorrentes em termos de receita e retorno aos acionistas.

  • O Design Management Institute (DMI) conduziu uma pesquisa que mostrou que empresas que investem consistentemente em design superam o S&P 500 em mais de 200%.

  • Pesquisas da Forrester e da Harvard Business Review também destacaram os benefícios financeiros e estratégicos de uma abordagem centrada no design.


Enquanto o custo de não ter uma cultura de design pode ser alto em termos de competitividade e satisfação do cliente, os benefícios de uma cultura de design aplicada podem resultar em maior inovação, satisfação do cliente e desempenho financeiro.


Como criar estrutura para construir a cultura de design e inovação no mundo corporativo


Passo 1: Compreensão e Comprometimento


  1. Eduque a Liderança: Explique os benefícios do design para a empresa, destacando como pode impulsionar a inovação, melhorar a experiência do cliente e gerar vantagem competitiva.

  2. Compromisso da Alta Administração: Garanta o comprometimento da alta administração para investir em uma cultura de design e integrá-la aos objetivos estratégicos da empresa.


Passo 2: Avaliação e Análise


  1. Avalie a Situação Atual: Analise a cultura organizacional existente para identificar pontos fortes e áreas de melhoria em relação ao design.

  2. Identifique Objetivos Claros: Estabeleça metas específicas para a introdução da cultura de design, como melhorar a experiência do usuário ou impulsionar a inovação nos produtos.


Passo 3: Construção da Equipe e Recursos


  1. Forme uma Equipe de Design: Contrate profissionais de design qualificados e diversificados para liderar a transformação.

  2. Forneça Recursos Adequados: Garanta que a equipe de design tenha as ferramentas, tecnologias e suporte necessários para ter sucesso.


Passo 4: Implementação de Processos e Metodologias


  1. Adote Metodologias de Design: Introduza práticas como Design Thinking, Lean UX, e Agile para promover uma abordagem centrada no usuário e iterativa.

  2. Integre o Design em Processos de Negócios: Garanta que o design seja integrado desde o início em todos os processos de desenvolvimento de produtos e serviços.

  3. Mensure resultados: é muito mais fácil você provar a eficácia do seu trabalho através de números. Lembra que falamos de linguagem? CEOs entendem design dessa perspectiva, vai por mim :)


Passo 5: Fomento da Cultura e Comunicação


  1. Promova uma Mentalidade de Design: Incentive uma cultura de experimentação, aprendizado contínuo e colaboração multidisciplinar entre todos os times da empresa, do time de dados ao time de vendas.

  2. Comunique os Valores do Design: Compartilhe histórias de sucesso e os benefícios tangíveis do design para aumentar a conscientização e o apoio em toda a empresa. É mais fácil acreditarem em você quando há exemplos práticos como dizem os maiores educadores.


Passo 6: Avaliação e Melhoria Contínua


  1. Meça o Progresso: Estabeleça métricas-chave para avaliar o impacto do design nos resultados de negócios, como satisfação do cliente, eficiência operacional e receita.

  2. Itere e Adapte: Use os dados coletados para iterar e aprimorar continuamente a cultura de design, ajustando estratégias conforme necessário.


Passo 7: Celebração e Reconhecimento


  1. Reconheça e Celebre Conquistas: Valorize os esforços e conquistas da equipe de design, reconhecendo seu papel fundamental na transformação da cultura organizacional, isso significa dar voz e chance de trazer visões divergentes sobre os temas trabalhados também.


Implementar uma cultura baseada em design é um processo contínuo que requer liderança forte, compromisso organizacional e uma abordagem centrada no usuário em todos os aspectos da empresa.


Conclusão

Cultura não é sobre fazer ou não design system, sobre usar o Figma ou qualquer outro software e muito menos sobre a forma que damos para as coisas, isso é o final do processo. A cultura do design só consegue ser efetivada quando as evidências estão claras e para isso é preciso discutir, se conectar, testar, errar e discutir novamente. É necessário que haja integração com todos os times que estão envolvidos no projeto; que o CEO entenda qual é o papel e onde deve ser aplicado. A disciplina de design é muito nova, com menos de 100 anos, e por conta disso é muito fácil que caia sempre na vala do senso comum, enclausurando toda a potencialidade do design em discussões sem fim sobre cores e outras coisas que deveriam ser APENAS decididas pelo designer.


E você, já trabalha com uma cultura de design forte?

Não? Conta pra gente como é onde você trabalha.



 

Gostou deste texto?

Me segue aqui no Linkedin pois vou tentar trazer conteúdos como este e outras vivências de mercado para compartilhar com a rede.





26 visualizações0 comentário

Comentarios


bottom of page