top of page
  • Foto do escritorIgor Baliberdin

Sua empresa é realmente inovadora ou é só discurso marketeiro?


Papel amassado com um texto "ideia" escrito nele

Photo by Nick Fewings on Unsplash.com


De acordo com o Sebrae: "A inovação pode ser definida como a criação de algo novo ou a melhoria de algo existente. Esse processo envolve o desenvolvimento de novas ideias, produtos, serviços ou métodos que oferecem valor ou soluções para determinados problemas."


Uma definição mais técnica de inovação, segundo a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OECD), diz que a inovação é “um produto ou processo novo ou aprimorado (ou uma combinação dos dois) que difere significativamente dos produtos ou processos anteriores da empresa e que tenha sido introduzido no mercado ou colocado em uso pela empresa.”


Pensando agora da perspectiva comportamental, o que de novo você faz ou, quantas vezes você se põe num lugar diferente, sob uma perspectiva diferente para poder entregar essa inovação? O senso comum diz que não há como ter respostas diferentes se temos comportamentos iguais. Qual foi a última vez que você olhou para o seu business com o olhar de alguém que realmente quer resolver problemas?


A inovação, como dito anteriormente, não é necessariamente criar uma funcionalidade nova do produto a cada 15 dias, mas criar soluções novas ou até melhorias simples para situações corriqueiras, quer um exemplo? Já tentou contar um problema seu para um médico, por exemplo, e percebeu que ele não te escutou ativamente mas talvez estava alí apenas para cumprir horário? Então, que inovação acabaria com esse problema? Substituir o médico? Talvez. Mudar de clínica? Acredito que pouco efetivo. E se esse médico fosse instruído a escutar você de fato sem se preocupar em preencher formulário? Se ele perguntasse da sua família, do seu trabalho, se você tem ido ao cinema, caminhado no parque, praia...?


A inovação não é necessariamente criar uma funcionalidade nova do produto a cada 15 dias.

Tem gente que vai falar que isso seria trabalho do psicólogo e não estariam errados, mas será que o psicólogo não existe exatemente pq as coisas óbvias são negligenciadas na nossa rotina diária? Inovar seria mais ou menos isso, olhar de fora pra dentro (usuários > empresa) de forma honesta e com vontade de entregar valores reais para o mundo. Vejo muita empresa preocupada com lucro apenas, com resultados financeiros e pouco focado no fator humano, mesmo sabendo que o humano é a base do seu faturamento. Por outro lado, temos times de design e produto querendo falar de design com uma paixão que não afeta o olhar do empresário, sabe porque? Por que os designers e produteiros talvez não saibam escutar também. Do que empresários precisam? De equipes engajadas que olhem para a mesma direção e que, envolvidos em tantos problemas (os empresários), precisam de gente que os escute ou melhor, que saibam fazer as perguntas certas e escutem sobre as dores dos usuários e a operação de negócios em si, sem viés de confirmação.


As características de produtos/empresas inovadoras


três homens rindo em um escritório enquanto olham para a tela do computador

Para ser mais prático, times inovadores consideram dois pontos importantestrabalho em grupo e escuta ativa.

Através das trocas em grupo, aprendemos questões sobre:


• Sinergia: Quando as pessoas trabalham juntas, combinam suas habilidades e conhecimentos de maneira complementar, o que pode resultar em melhores soluções e resultados do que se trabalhassem individualmente.


• Diversidade de Perspectivas: Grupos geralmente consistem em pessoas com diferentes origens, experiências e pontos de vista. Isso permite uma ampla gama de ideias e abordagens para resolver problemas.


• Suporte Social: O trabalho em grupo pode fornecer um senso de comunidade e apoio emocional. Isso pode ajudar os membros do grupo a lidar com o estresse e os desafios, promovendo um ambiente mais saudável e produtivo.

Sobre a escuta ativa, temos elementos que irão somar na busca desse resultado inovador, tais como:


• Melhor Compreensão: A escuta ativa envolve ouvir atentamente não apenas as palavras, mas também os sentimentos e as intenções por trás das palavras. Isso leva a uma compreensão mais profunda do ponto de vista do outro.


• Construção de Relacionamentos: Quando as pessoas se sentem verdadeiramente ouvidas e compreendidas, isso fortalece os laços interpessoais e a confiança. Isso é fundamental para relacionamentos saudáveis e eficazes.


• Resolução de Conflitos: A escuta ativa é essencial para resolver conflitos de forma construtiva. Ao ouvir atentamente as preocupações e perspectivas dos outros, é mais provável que as soluções sejam mutuamente benéficas e que os relacionamentos sejam preservados.

Em resumo, tanto o trabalho em grupo quanto a escuta ativa podem melhorar a eficácia das interações humanas, promovendo um ambiente colaborativo, compreensivo e solidário.

Times inovadores precisam ter sua performance mensurada

Print da tela de um computador onde mostra um gráfico em uma descendente

Bom, segundo uma nova pesquisa realizada pela Falconi, 64% das empresas ouvidas têm um processo formal de gestão de performance de inovação. Entre as 36% que não têm a prática estruturada, 74% reconhecem a importância e pretendem implementá-la em até dois anos. Os motivos são os mais diversos, entre eles aumentar o reconhecimento, engajamento e contribuir para atingir resultados e promoção de equipes.

Como sustentar um discurso de inovação se não há referência de melhoria proveniente do que foi criado? Como escalar seu business se não há dados reais para entender qual é o tamanho do problema a ser resolvido com inovação?

Além disso, segundo o Sebrae, 61% das empresas se autonegligenciam e não buscam por ajuda e, por conta disso, acabam tendo que fechar a operação por conta de falta de informação. Além disso, 55% não planejam como sua operação deve funcionar. Como vender inovação sem buscar informação?

Abrir mão de pesquisa é abrir mão de dados que te ajudarão a identificar problemas reais e que ajudariam, por exemplo, a justificar tomadas de decisão das mais diversas, entre elas, a busca por investimento de todo tipo.


As vantagens de se mensurar os processos de criação de inovação

Para Ladeira, da Falconi, o formato ideal de avaliação de desempenho vai variar de acordo com as necessidades de cada empresa — e não há um modelo único que atenda a todas elas

Com um planejamento bem definido com OKRs bem estrutradas, fica mais fácil de entender onde o business estará em curto, médio e longo prazo. Isso vai permitir que usemos uma bússola muito melhor aferida e que trará indicações de direção mais assertivas, além de permitir mudar a rota sempre que possível.


Os principais motivos pelos quais as empresas ainda não implementaram um processo formal de avaliação de desempenho envolvem a baixa maturidade dos negócios e dos processos de RH. 


Para Ladeira, da Falconi, o formato ideal de avaliação de desempenho vai variar de acordo com as necessidades de cada empresa — e não há um modelo único que atenda a todas elas. Mesmo assim, o executivo aponta que ter um olhar a longo prazo é denominador comum importante.


E aí, sua empresa entrega inovação e consegue provar isso através de dados ou é só discurso marketeiro?


Pensa nisso ;)

_________________________________

Fonte:

_________________________________

Gostou desse conteúdo?

Então siga nosso perfil aqui no Linkedin e compartilhe este artigo com a sua rede.

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Kommentarer


bottom of page